Notícia

Rede Fé e Política realiza Fórum de Lançamento da 5ª Semana Social Brasileira

Um Fórum realizado no Sindipetro fez o Lançamento da 5ª Semana Social Brasileira no Rio de Janeiro. O evento, que aconteceu no dia 31 de março de 2012, foi uma parceria entre a Rede Fé e Política do Estado do Rio de Janeiro e o Sindicato dos Petroleiros.

Estiveram presentes cerca de 100 pessoas, lideranças das pastorais, militantes de movimentos sociais, de diversos municípios do estado do Rio de Janeiro.
O Fórum teve como objetivo reunir lideranças das Comunidades e militantes dos movimentos sociais para dar início à discussão da 5ª SSB que tem como tema “Estado para quem?”. Outra pauta importante é a necessidade de repensar a sociedade como um todo e o modelo de Estado a partir da crise civilizacional, ecológica, econômica, política.
Todo o dia nos defrontamos com as contradições do modelo de Estado que temos. É mínimo, quando se trata de atender as necessidades e os direitos do povo. Mas é ativo e põe em curso todo seu poder quando estão em jogo os interesses das grandes corporações.
A 5ª SSB se insere no contexto da luta pela democratização do Estado e da participação da Constituinte. Agora, para celebrar em 2013 os vinte e cinco da Constituição Cidadã, a 5ª SSB vem propor um grande mutirão da Sociedade Brasileira para impedir recuos e realizar os avanços legais imprescindíveis para que o Estado possa atender adequadamente as necessidades dos grupos excluídos, da biodiversidade e da vida no Planeta.
O Fórum contou com assessoria de Virginia Fontes, Ivo Lesbaupin e Emmanuel Cancella.
Primeira a falar, Virgínia Fontes, professora aposentada da Universidade Federal Fluminense e atual professora da Escola Nacional Florestan Fernandes, do MST, falou sobre “O Estado que Temos”. A mesma lançou recentemente um livro intitulado “O Brasil e o capital-imperialismo”. Segundo Vírginia, após ver o subsídio de reflexão sobre a 5ª SSB, disse que existem diferenças entre os Estados e destacou que a hegemonia hoje no mundo é dos “Estados Capitalistas”. Dessa forma, ”A existência do Estado está associado às classes sociais e sua organização. Ele é um modo de ser e precisa se expandir infinitamente. Sua lógica não considera os limites da natureza. O capitalismo cria uma relação social muito peculiar. Ele tem uma condição social e uma forma de existir. É uma produção de seres expropriados, pois a exploração só é possível se uma massa de pessoas estiver dentro das expropriações. São quatro os tipos de expropriação: da terra, do saber operário, do trabalho coletivo e por último a expropriação do direito”. Por fim, disse que os Estados capitalistas tentam impedir as lutas internacionais dos trabalhadores, que se organizem, aprisionando os cidadãos em seus Estados. Por isso, a forma de democracia atual é falsa, pois não permite que os pobres discutam, porque são pobres.

Em seguida, Ivo Lesbaupin da Ong Iser Assessoria que falou sobre “O Estado que Queremos”. Chamou atenção sobre o nosso atual padrão consumista que é insustentável. Lembrou uma frase de Leonardo Boff que disse “a terra não precisa de nós, nós é quem precisamos dela”. Ressaltou a importância da mudança de concepção do modelo desenvolvimentista vigente em nosso país. Indagou-nos sobre a possibilidade de um outro tipo de desenvolvimento, uma outra economia. A partir daí apresentou algumas propostas que já vem sendo realizadas no Brasil por movimentos sociais, tais como, “na agricultura temos um bom acúmulo, a agricultura familiar. Para o semi-árido a ASA é um bom exemplo. A convivência com o semi-árido, através da campanha das cisternas. O pessoal irá construir uma cisterna na Cúpula dos Povos. É preciso mudar nossa matriz energética passando para energias renováveis como a eólica, solar, etc. O nosso país pode ser uma referência nesse campo. É preciso desenvolver a campanha “Desmatamento Zero”. A fabricação de bens precisa mudar, pois a cada três meses nossos equipamentos quebram. Por exemplo, nos EUA existe uma lâmpada incandescente que está acessa a mais de 100 anos. Indicou para o documentário “Comprar-jogar fora-comprar A história da obsolescência planejada”, o motor secreto da sociedade de consumo. Os transportes também devem mudar do rodoviário para o trilho. Por fim, destacou a importância de nossa participação, em junho, na Cúpula dos Povos, pois é um espaço de construção coletiva da proposta de um outro desenvolvimento possível e necessário para o planeta Terra.
Logo depois, Emanuel Cancella, presidente do Sindipetro, abordou o tema “Transformações recentes do Estado e os impactos na sociedade brasileira”. Como destaque falou sobre a Geopolítica de Energia brasileira. Destacou que não se trata apenas do petróleo, mas da energia como um todo. Lembrou que “antes do presidente Fernando Henrique havia o monopólio da Petrobrás, mas ele o quebrou. Lula criou uma lei melhor do que a de FHC. No entanto, denunciou o “Sh-Eike Batista”, que ganhou um leilão de petróleo sem ter um navio e nem um trabalhador neste ramo comercial.
O movimento social propõe que a exploração do petróleo seja de uma forma estratégica para resolver os grandes problemas que resultaram das mazelas da política brasileira. O movimento social é contra a exploração indiscriminada do petróleo, mas que receita seja investida na indústria petroquímica e na mudança da nossa matriz energética, pois somos um país tropical com muito sol, ventos e rios. Outra questão que precisamos analisar é a reivindicação do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). Segundo eles, água e energia não são mercadorias. Eles são contra a construção de grandes hidrelétricas, pois as mesmas estão sendo construídas para alimentar grandes empresas multinacionais que estão se instalando no Brasil, além de causarem grandes desastres ambientais. As leis não são as mesmas nos diferentes países. Vejam o exemplo da TKCSA. Será que ela seria construída na Alemanha, França, etc.
Por fim, disse que o Sindipetro propõe outra sociedade de consumo, com outra matriz energética.
Aos palestrantes seguiu-se a “fila do povo” com depoimentos, perguntas e questões de vários participantes.
Dando seguimento ao processo de discussão da Semana Social está previsto um Seminário de Capacitação de Agentes Multiplicadores, que será realizado de 19 e 20 de maio, em de Duque de Caxias. As fotos estão em www.iserassessoria.blogspot.com.br – Veja também www.semanasocialbrasileira.org.br

Tags
Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close